Quem não abre mão do estilo sofisticado não precisa ter receio de adotá-lo, mesmo que o local seja pequeno. Isso porque existem certos mitos com relação a salas menores que, hoje, estão sendo deixados de lado. Um deles é que se deve usar cores claras, superfícies lisas e móveis e objetos delicados, para que o espaço não pareça pesado. Mas muitos arquitetos e designers de interiores vêm provando o contrário. A cor preta e o uso de plantas na decoração são bons exemplos. Sempre chique, eles ganham equilíbrio com o branco ou o bege, como mostram Bianca Da Hora e Karina Afonso.

Sala de estar

Sala funcional e aconchegante

No imóvel paulistano, Karina Afonso aproveitou cada cantinho da sala. Além de um sofá e uma chaise com capa em linho (Casual Móveis), a arquiteta criou mais possibilidades de assentos ao escolher um banco estofado bem baixinho e alguns futons em linho (Empório Beraldin) que ficam embutidos sob a mesa. Tudo sobre o tapete preto, fofo e texturizado.

Sala de estar

Efeito de profundidade

Ao fundo, um painel laqueado de branco tem réguas na horizontal, o que parece alongar o local. Ele ainda é ladeado por espelhos, cujos reflexos proporcionam profundidade. No outro lado, o bufê baixo, em branco, apoia objetos e se equilibra com o painel da TV, em laca preta. Nas laterais, novamente há duas colunas de espelhos, que seguem até o teto. Entre os objetos, cristais e pratarias se misturam a plantinhas, como as suculentas sobre a mesa. E ainda sobra espaço para o bambu-mossô, a planta alta, no canto, que traz volume e um toque natural. “A disposição do mobiliário, desta forma, oferece mobilidade e integração. Já o tom escuro faz uma contraposição balanceada, atribuindo elegância ao ambiente”, define a profissional.